Em Nome do Pai

A matéria de capa Revista de domingo do jornal O Globo apresenta o projeto Em Nome do Pai, que tem por objetivo acrescentar o nome do pai à certidão de nascimento de crianças registradas apenas com o nome da mãe. As crianças são identificadas a partir dos registros das escolas e as mães são convocadas a comparecer perante a Justiça para dar início ao processo. Caso não respondam, recebem outra convocação. A matéria não deixa claro quantas convocações uma mãe recebe, tampouco deixa claro se é possível recusar-se a participar.

Faz sentido promover o maior envolvimento dos pais com seus filhos, mudando a percepção de que a reponsabilidade de seu cuidado é exclusiva ou predominantemente da mulher. Também faz sentido assegurar os direitos dessas crianças a pensões e heranças. Contudo, não parece ser esse o raciocínio por trás do projeto. Seu idealizador, o promotor da Vara de Infância e Juventude Leônidas Filppone, é citado na matéria*:

“É o direito da criança saber o nome do pai”, atesta Filippone. “O reconhecimento garante a integridade emocional e a dignidade da criança, e em muitos casos recupera o afeto perdido. Ao estruturarmos minimamente uma família, é um a menos que vai para a rua, para a criminalidade.”

Como se uma família monoparental não fosse minimamente estruturada; como se os problemas da criminalidade e da população de rua fossem culpa de mães solteiras. Esse mesmo promotor continua:

Filippone lista as razões mais comuns desta lacuna nas certidões de nascimento: pais que não querem pagar pensão alimentícia e põem em xeque a paternidade; e mães que perderam contato com os genitores ou as que não querem qualquer ligação com eles.

Imagine que você está num relacionamento com um homem violento, ou alcóolatra, ou financeiramente irresponsável, ou qualquer motivo que leve a crer que você e seus filhos ficariam melhor longe dele. Imagine que você então se afasta dessa pessoa para se proteger e proteger seus filhos. Então, um dia, você é convocada a comparecer perante a Justiça para que esse homem passe a fazer parte de suas vidas porque um promotor decidiu que qualquer criança está necessariamente melhor se tiver um pai e uma mãe do que se for criado apenas pela mãe. E não se trata de assegurar apenas que a criança tenha um pai, mas que tenha o seu pai biológico**:

Uma vez identificados e localizados (a maior dificuldade), os pais biológicos são intimados a assumir os filhos.

Não deveria ser surpreendente que um projeto com um nome de clara inspiração religiosa defenda uma visão tão estreita e conservadora do que é uma família funcional.

*Ênfase minha em todas as citações.
**Um dos casos apresentados na matéria é o de um menino adotado pelo pai de criação. Contudo, a descrição feita do projeto leva a crer que o objetivo seja de assegurar o reconhecimento por parte do pai biológico.

Tagged ,

2 thoughts on “Em Nome do Pai

  1. carol says:

    lament??vel, meu deus, lament??vel

  2. carla says:

    ??tima an??lise, Tha??s! Mais uma vers??o do imperativo da fam??lia biol??gica, nuclear, hetero e monog??mica…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: